segunda-feira, 16 de março de 2015

Parece Mentira mas é Verdade - Prefeito Manda Capinar a Praia da Costa em Canavieiras

Praia da Costa Desprovida da Exuberante Vegetação Litorânea,
Capinada Pelo Prefeito Almir Melo - Foto de Regis Silbar 

Mais um grande crime ecológico aconteceu recentemente na Praia da Costa - Ilha de Atalaia - em Canavieiras. Um prefeito, enominado Almir Melo,  já com um grande histórico de grandes crimes ambientais, mandou capinar a orla da Praia da Costa, retirando toda a exuberante vegetação nativa existente entre a linha da maré alta e a Avenida Beira-Mar.

Este grande crime ecológico chocou todas as pessoas amantes da natureza e apreciadoras da vegetação nativa, principalmente a de restinga, que ornamenta e embeleza a faixa litorânea da Ilha de Atalaia, uma das mais belas ilhas de todo o litoral baiano.

Entre as várias espécies de vegetação de restinga, típicas da faixa litorânea de Canavieiras, que foram simplesmente capinadas, arrancadas e dizimadas na Praia da Costa, destaca-se a palmeira rasteira Allagoptera Arenaria, também chamada de buri-da-praia ou simplesmente caxandó, cujos frutos, doces como o mel, fazem a alegria da fauna de nossa restinga.

Mas não foi só esta pequena palmeira que foi alvo da sanha deste senhor que foi eleito prefeito por falta de conhecimento dos eleitores em relação aos seus crimes ecológicos cometidos no passado, quando também era prefeito, como por exemplo o aterro do manguezal que envolvia a Ilha de Canavieiras, entre o Rio Pardo e a Ponte para a Ilha de Atalaia.



Praia da Costa Desprovida da Exuberante Vegetação Litorânea,
Capinada Pelo Prefeito Almir Melo - Foto de Regis Silbar 
Duas belas espécies nativas de flores rasteiras brancas (ipomoea imperati) e roxas (ipomoea (pes-caprae), que enfeitam as praias do Brasil, também foram alvo deste senhor e, simplesmente foram dizimadas naquela faixa litorânea, colocando em risco a terra firme, por falta de proteção contra a erosão.

Outra espécie que foi capinada e extinta de uma grande região da Praia da Costa foi a Canavalia Rosea, também chamada de feijão-de-praia ou cipó-de-praia. Esta espécie de vegetação, se ramifica, segurando a terra firme do efeito da erosão provocada pelas marés altas nas fases de lua cheia.

Além disto, todas as outras espécies, algumas endêmicas da região, também foram erradicadas, através da capina de extensa faixa da Praia da Costa, provocando uma perda biológica inestimável, que todos os canavieirenses devem se lastimar.

Mas não foi só a flora nativa que foi prejudicada, pois toda a fauna nativa que vivia neste eco-sistema foi prejudicada pelo pretenso embelezamento da orla marítima que este senhor prefeito se propôs a fazer na Avenida Beira-Mar, cujo resultado foi a depredação do patrimônio natural de nossa praia.

Praia da Costa sem a Exuberante Vegetação Nativa, Capinada
Pelo Prefeito Almir Melo - Foto de Regis Silbar


Enquanto em outras cidades, a idéia de que a vegetação de restinga tem que ser preservada e restaurada, em Canavieiras, onde pessoas com personalidades desvirtuadas ocupam o poder, a mesma vegetação é alvo de vandalismo e destruição.

Mas, o que mais chama a atenção foi a complacência do Poder Público, tanto do IBAMA, que foi ágil em impedir a construção da estrada Canavieiras-Belmonte, que tantos benefícios traria a todo o sul da Bahia, como o Ministério Público, que simplesmente fechou os olhos e fingiu que não viu. Falamos isto porque todos os que não são cegos viram e, se não viram pessoalmente, ouviram falar.

Esta é mais uma estória de vandalismo ambiental que, talvez, ficará impune, porque as vozes que deveriam se levantar, se calaram, talvez por conveniência, talvez por comodidade ou talvez para evitar mais um trabalho, se por acaso viessem a se manifestar.

Este tipo de crime ecológico deveria ser punido com pena prisional, o que evitaria, com certeza, a maioria dos crimes contra a natureza praticados por pessoas sem escrúpulos.  A nossa fauna e flora, principalmente àquelas próximas às nossas cidades, deveriam ser protegidas, pois elas se harmonizam entre si e dão à nossa alma um presente de Deus.   


Praia da Costa sem a Exuberante Vegetação Nativa, Capinada
 pelo Prefeito Almir Melo - Foto de Regis Silbar
     

sábado, 7 de março de 2015

Um Grande Crime Ecológico no Porto de Canavieiras


Porto de Canavieiras - Aterrado com Uma Camada de Areia
 Retirada da Praia da Costa - Foto de Regis Silbar

Um grande crime ecológico aconteceu recentemente em Canavieiras e talvez ninguém deve ter dado a devida atenção ao caso, mesmo sendo o seu patrocinador a mesma pessoa que aterrou o grande manguezal que outrora emoldurava as margens do Rio Patipe na Ilha de Canavieiras.

Esta pessoa que cometeu este grave crime ecológico, aterrando com areia proveniente da Praia da Costa o Porto de Canavieiras é um reincidente em crimes ambientais de dimensões homéricas e ela se chama Almir Melo, o grande destruidor da vegetação nativa do entorno de Canavieiras e uma pessoa que deve ser evitada por cometer grandes crimes ecológicos.

A metade da área do Cais do Porto aterrada, em Canavieiras, era, até o seu aterramento, um berçário de um crustáceo chamado popularmente de chama-maré, um pequeno caranguejo do gênero uca, muito abundante na área lamacenta destruída pelo nefasto prefeito de Canavieiras.

A outra metade do porto, felizmente, ainda conserva a sua vegetação original, um capim que só cresce em áreas alagadiças e onde a fauna da região pode proliferar normalmente, dando vida e fazendo a felicidade de todos aqueles que amam a natureza.

Eu não sei onde andava o IBAMA que não viu ou não quis ver esta aberração no Cais do Porto ou o Ministério Público de Canavieiras que, como o IBAMA também não viu ou não quis ver este gravíssimo crime ecológico praticado por quem deveria cuidar para que nada de ruim viesse a acontecer na cidade.   

Embora este blog não seja político, e não seja feito para criticar nominalmente os políticos que controlam a cidade, não podemos, desta vez, deixar de nominar a pessoa que tomou mais uma iniciativa de destruir o meio-ambiente da nossa cidade.


Porto de Canavieiras - Aterrado com Uma Camada de Areia
 Retirada da Praia da Costa - Foto de Regis Silbar

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Hidroaviões no Rio Pardo em Canavieiras

Hidroavião Sikorsky S-43 - Prefixo PP-PAW - da Panair do
Brasil no Rio Pardo em 
Canavieiras-BA

Canavieiras, no sul do Estado da Bahia, já foi, no passado, uma das cidades mais importantes do Brasil. Nela, o dinheiro rolava, proveniente dos diamantes do Rio Salobro e das  plantações de cacau que faziam a felicidade dos governadores que enchiam os seus cofres com o dinheiro fácil que vinha desta rica cidade.

Nesta época, o dinheiro abundante da cidade atraia as nascentes companhias de aviação comercial que, para servir a cidade, usavam o Rio Pardo, o rio que banha a cidade, como campo de pouso, por ausência de um aeroporto em terra firme, mas que, pouco tempo depois, seria construído e inaugurado. 


Hidroavião Não Identificado no Porto do Rio Pardo em 
Canavieiras-BA

Nesta época, a cidade era uma riqueza só e importava quase tudo da Europa, desde as mais valiosas jóias para enfeitar os corpos das mulheres que frequentavam a elite da cidade, como também os itens alimentícios mais sofisticados que os barões do cacau tanto apreciavam.

Para que estes itens valiosos fossem transportados, era necessário que houvesse agilidade, para que também houvesse segurança e rapidez. Foi aí que entraram as nascentes empresas aéreas para que este transporte com agilidade fosse realizado.



Hidroavião Não Identificado no Porto do Rio Pardo em 
Canavieiras-BA


Também devido à falta de estradas, o transporte de passageiros, que anteriormente era feito por canoas, barcos e navios, passou a ser feito por estas companhias aéreas, entre as quais se destacava a Panair do Brasil, que mais tarde se tornou a maior empresa de aviação comercial do Brasil, sucumbindo, porém, anos mais tarde, à ditadura brasileira nos anos sessenta.

Passageiros não faltavam, a cidade era um grande centro político e comercial e  não haviam estradas para que as pessoas fossem transportadas. Foi uma mina de ouro para estas companhias que transportavam os seus ricos passageiros para Ilhéus, Salvador e Rio de Janeiro, para que eles pudessem gastar o seu rico dinheiro nestas cidades.


Hidroavião Sikorsky S-43 - Prefixo PP-PAW - da Panair do
Brasil no Rio Pardo em Canavieiras-BA

Até para as curtas distâncias, nesta época, era usado o avião. De Canavieiras para Belmonte ou do Rio Pardo para o Rio Jequitinhonha, se ia de avião, com uma grande rapidez. Tempos áureos estes para Belmonte, que nesta época era uma cidade que tentava se firmar, mas o tempo passou e ela entrou em uma solene decadência que dura até hoje.

Hoje Canavieiras possui um ótimo aeroporto em terra firme, mas nenhuma companhia aérea a serve mais, a cidade empobreceu, só restou o antigo fausto presente nas belas construções que pouco a pouco vão sendo destruídas aos olhares complacentes do Poder Público.   


Hidroavião Não Identificado no Porto do Rio Pardo em
Canavieiras-BA

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Cemitério de Automóveis na Praça da Bandeira - Uma Vergonha Para Canavieiras

Cemitério de Automóveis na Praça da Bandeira - Centro Histórico
 de Canavieiras - Vergonha de Municipal - Foto de Regis Silbar


Num dos principais pontos turísticos de Canavieiras, a Praça da Bandeira, situada no miolo do Centro Histórico, encontra-se em plena via pública, uma das principais vergonhas de Canavieiras, o cemitério de automóveis patrocinado pela Prefeitura Municipal e pela Delegacia de Polícia Civil, ambas situadas na mesma praça.

O caso é tão vergonhoso e inusitado que até passa despercebido aos olhares das autoridades de plantão, que só devem se preocupar com outras motivações mais lucrativas. Mas o fato é que o cemitério está lá, deixando todos os canavieirenses envergonhados com tal descaso em um dos seus principais pontos turísticos.

Este cemitério de automóveis está estrategicamente localizado entre o prédio da Prefeitura e a Biblioteca Municipal, duas das Sete Maravilhas de Canavieiras e bem próximo ao jornal O Tabu, que até o momento, também não se deu conta de tal aberração.

O Ministério Público de Canavieiras, que deveria zelar pelo bem estar da cidade, também parece que não anda com os olhos bem abertos, e por isso, também, ainda não enxergou tal situação, como também não enxergou, até o momento, a denominação dada ao Centro Histórico, nomeado com o nome de um político ainda muito bem vivo, contrariando a nossa lei.

Mesmo com todos estes infortúnios, não deixe de conhecer Canavieiras e os seus pontos turísticos, mesmo que eles estejam sendo desmerecidos por pessoas que deveriam zelar pela cidade e pelos seus monumentos dos tempos áureos do cacau. 

    


domingo, 15 de fevereiro de 2015

A Grande Reunião dos Santos da Igreja de São Boaventura de Canaveiras


A Grande Reunião dos Santos da Igreja de São Boaventura em
 Canavieiras - Foto de Regis Silbar


Você já imaginou, todas as imagens de santos de uma igreja reunidas em um só lugar? Pois este fato inédito realmente aconteceu na Igreja de São Boaventura, em Canavieiras, durante as obras de reforma e recuperação da parte externa e do interior da igreja.

A reunião dos santos emanava uma beleza sem igual. juntando em um só lugar uma quantidade de obras de arte de valor incalculável, que irradiavam e iluminavam as almas dos fiéis com uma aura de espiritualidade que confortava a mente e dava paz ao espírito.

Nesta reunião  as imagens de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, São Boaventura, Sagrado Coração de Jesus, São Judas Tadeu com o Menino Jesus, Santo Antônio (2 imagens) e a beata Bernadete Soubirous, pareciam aguardar a volta aos seus respectivos altares para continuarem com a sua missão de zelar pelo povo de Canavieiras.

Quando você for a Canavieiras, não deixe de visitar a Igreja de São Boaventura, uma das mais belas do Estado da Bahia, mesmo se você não for católico, pois a todos é permitido a entrada, não havendo nenhuma restrição a seguidores de outras religiões . 
    


Igreja de São Boaventura em Canavieiras - Foto de Regis Silbar

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

A Avenida Canavieiras em Ilhéus Através dos Tempos

Avenida Canavieiras - Ilhéus-BA - Ainda em seus Primeiros
 Tempos de Existência 

A Avenida Canavieiras, uma das principais vias da cidade de Ilhéus, tem muita história para contar: de uma rua simples e singela, tornou-se uma rua importante e algum tempo depois entrou em decadência, tornando-se um lugar não muito seguro para quem nela passa.

O seu aspecto atual não é nada agradável, basta chuver um pouco  e toda a rua se transforma em um grande rio que vai deitando lama em toda a sua extensão. Todo o seu casario está em franca decadência, nada lembrando o belo passado que já teve.



d
Avenida Canavieiras - Ilhéfus-BA - em 1955 - uma Rua
 Moderna e Desenvolvida

A Avenida Canavieiras, em Ilhéus, também já teve os seus dias de glória, principalmente na década de cinquenta do século passado, quando a avenida tornou-se uma das principais vias da cidade, recebendo construções modernas e elegantes.

Sendo, talvez, a primeira via a ser asfaltada no Estado da Bahia, recebeu, festivamente, para jogar em seu leito a primeira pá de asfalto, o presidente Jânio Quadros, que acompanhado de grande comitiva, tornou a solenidade um ato para a posteridade.  


O Presidente da República Jânio Quadros, com a Primeira Pá de
 Asfalto na Mão para a Pavimentação da Avenida Canavieiras em
Ilhéus

A Avenida Canavieiras, em Ilhéus, é uma homenagem à cidade de Canavieiras, localizada no sul da Bahia e outrora uma grande produtora de cacau e diamantes e hoje, sobrevivendo apenas à base de bolsa família e da atividade pesqueira. 

Também a cidade - de Canavieiras - procura viver do turismo, mas com os preços cobrados pelas pousadas e hotéis da cidade, fora de qualquer realidade econômica, os turistas preferem ir para Porto Seguro, onde os preços cobrados pelas pousadas e hotéis são menos da metade do preço cobrado em Canavieiras.



Avenida Canavieiras, Esquina com a Rua da Linha em Dia de
 Alagamento - Ilhéus-BA - Foto www.pimenta.blog.br

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

A Cesta - O Monumento Mais Representativo de Canavieiras

Praça da Cesta - Data Provável da Foto Anos 40 - Canavieiras-BA

No Cais do Porto, em uma praça frontal ao Rio Pardo, no Centro Histórico, ergue-se o monumento mais representativo e icônico de Canavieiras, que por sua beleza e simplicidade encanta a todos dando um toque especial à praça onde se encontra.

Não é um prédio histórico, nem uma igreja, nem um monumento erguido em louvor a algum político aproveitador que enganou o povo da região. É apenas um coreto em forma de cesta, erguido logo nos primeiros anos do século XX, destruído por um prefeito que sofria levemente das faculdades mentais e reconstruído, levando-se em conta os aspectos originais,  quando da recuperação do Centro Histórico da cidade.


Praça da Cesta - Canavieiras-BA

Este pequeno monumento - um coreto, já participou de quase todos os bons momentos da vida cívica, social e política da cidade, recebendo inclusive, um candidato vencedor à presidência da república, o nosso amado Juscelino Kubitschek.

Em sua volta já tocaram todas as filarmônicas de Canavieiras, desde a 2 de Janeiro, passando pela Lyra do Commércio até a extinta Medéia, animando e divertindo quem lá se encontrasse, seja quem fosse, rico ou pobre, pois sendo uma cidade pequena, todos se reuniam em um só lugar, mesmo porque não tinham outras opções.

Praça da Cesta - Canavieiras-BA

O atual coreto em forma de cesta, mesmo sendo uma cópia, deve ser preservado para a posteridade como forma de passar para as gerações futuras como era o ambiente de uma rica cidade pequena do interior da Bahia.


Praça da Cesta - 1920 - Canavieiras-BA